sábado, 1 de agosto de 2015

A Partida




A Partida

Quando eu partir, não levarei nada,
Do pouco que eu conquistei.
E nada deixarei, nem contos de fada,
Que um dia nessa vida eu acreditei.

Quando eu partir, logo serei esquecido,
Se vivo, eu nunca fui lembrado.
Partirei em busca de outro destino,
Estarei sozinho e mal acompanhado.

Quando eu partir desta pra outra,
Que tragédia! Mas, um fim cômico!
Espetáculo das gargalhadas loucas,
Que me virão ereto, rígido e anônimo.

Ao partir, será leve minha bagagem,
Mas vou carregar o peso de minha alma.
De tudo que eu sonhei e que virou miragem,
Como os escritos secretos da minha palma.

Levo apenas os meus sonhos, passaporte,
Que será devolvido junto a eternidade.
E fica apenas os sentimentos alheios a sorte,
De eu ter ido breve, e que já foi bem tarde.

Victor Hugo

sábado, 4 de julho de 2015

Noite




Noite

Noite que acalma. Vento fresco.
As horas vão passando devagar.
Ouço cada batida do ponteiro.
Agora sei que hoje vou respirar.

Mesmo sofrendo por dentro,
Remoendo toda angustia da alma,
Hoje eu vejo que essa calma,
Tem relação com meu desespero.

Mas um desejo pontiagudo me fere.
Ademais da corola de espinhos,
Que carrego noite e dia sem descanso,
Por dentro tudo está confuso!

Ainda arrumando essa bagunça, leve
Vai meu desejo, seguindo difuso,
Em tua busca, buscar o remanso...
Na noite de vento fresco, menino!

Victor Hugo Neves de Carvalho



Amo amar você




Amo amar você

Amo com a ternura de uma mãe
Que envolve teu filho num colo de proteção
Amo com a robustez de um pai
Que abraça um filho em forma de sermão

Amo com a beleza das flores e das rosas
Formando em sua volta um jardim de amor
Amo como um vulcão em trevas e revoltas
Mas, eu apenas amo, seja você quem for

Amo como Deus ama sua criação
No exagerado zelo de amor e de candura
Mesmo que esteja perdido em um mundo
Tão longe de amar e tão pouco ser amado.

Amo, enfim, como uma criança pura
Inocente, se entrega ao prazer acalorado
Amando tanto que, até a solidão
É uma forma de amor em diminuto.

Victor Hugo Neves de Carvalho

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Velhice









Velhice

Acho que já estou muito velho
Pra viver mais alguns anos.
Já não levo a minha vida, tão a sério,
Tantos foram às perdas e os danos.

Já me iludi o bastante pra entender,
Que fui apenas um saco de pancadas.
Submissão total para chorar e sofrer,
E depois, dessa vida não deixar nada.

Meu corpo, tão surrado de coças!
Meu espírito, tão sujo de manchas!
O coração, bate invariavelmente,
De acordo com as condições exigidas.

No tocante dessas minhas andanças,
Hoje me estacionei, vim curar as feridas,
Do último golpe que, indubitavelmente,
Deixou minha velhice flácida e torta.

Victor Hugo Neves de Carvalho

Reconstruir a vida...





Reconstruir a vida...

É juntar cada tijolinho que conseguir,
Para construir o seu castelo de sonhos.
Entre o amor e a felicidade, fazer se unir,
Longe de todo assombro que for bisonho.

É a certeza de um futuro promissor,
A segurança diante essa vida tão difícil.
Não fazer mais o papel de sonhador,
E ser pessoalmente realizado é possível.

Todos têm que escrever sua história,
E entre quatros mãos pode surgir a vitória,
Vencer o medo, a dor e a solidão.

Junte cada tijolinho, que começa no coração,
Um a um vai formando razão e emoção...
Ser feliz! Não tem nenhuma outra estória!

Victor Hugo Neves de Carvalho

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Reticências...





Reticências...

Durante um dia todo, vou vivendo,
Na esperança de que algo mude.
E eu mesmo vou varrendo, varrendo,
Tudo aquilo que não presta e não cure.

E as horas vão rolando, segundos afora,
Até que chegue, enfim, o fim da tarde.
A noite também vem e não demora,
E começa tudo, devora, invade, arde...

Sob os ditames dos delírios da solidão,
Vou me descrevendo, como um poema,
Que nunca se findou ter um ponto final.

Coração chora! Coração grita! Reticências.
Voltei pra minha realidade, afinal...
Mas sem você, meu filho, quanta escuridão!

Victor Hugo Neves de Carvalho

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Desejo


Desejo

Sabe qual o meu maior desejo?
Era ter você aqui comigo!
Pena não ouvir mais meu apelo,
Eu me sinto tão sozinho!

Queria matar esse meu desejo,
Antes que ele me mate de vez.
E são tantos, tantos que almejo,
Que o tempo já os desfez.

Toda noite é assim, vida longa!
As horas demoram a passar...
Mesmo contando cada segundo,
Que resta dessa árdua espera tua.

Desejo tanto prosseguir no mundo,
Ver-te em meus braços a chorar!
Nem que fosse naquela última curva,
Te ver chegar filho, é uma honra!

Victor Hugo Neves de Carvalho


Da Falta...









Da Falta...

Enfim, a solidão resolveu ficar
Chegou e tomou conta do espaço
Chegou e veio logo se recostar
Depois de um longo e friorento abraço.

Ela mesma foi quem fechou a porta
E a chave, guardou em outro lugar
Se eu tiver que sair ou não, que importa?
Sabe que eu sempre hei de voltar.

Por que não há outro lugar pra ir
Por que não há outros braços pra me jogar
E muito menos outro lugar pra cair morto.

Dia e noite, a solidão é assim, o meu penar.
Parece que o tempo ficou mais curto,
Pra tanta tortura da minha falta de sorrir.

Victor Hugo Neves de Carvalho

Eu o sou









Eu o sou

Se você quer saber quem eu sou,
Me procure nos mais altos lugares,
Que ninguém jamais escalou,
É perto do meu sorriso de mares.

Se você quer saber quem eu sou,
Me encontre entre tantos os milhares,
Que lembrar ninguém jamais ousou,
Sozinhos, na porta dos velhos bares.

Se você quiser saber quem eu sou,
Entre em um quarto escuro, úmido e frio,
Cujo silencio fala mais que tagarela...

Esse sou eu! Um ser pequeno e sem brilho,
Em que todos pisam, feito uma amarela,
Gargalhada que ninguém jamais argumentou.

Victor Hugo Neves de Carvalho

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Senhor Jesus









Senhor Jesus

Meu Senhor Jesus
Filho legítimo de Deus
Que meus olhos não sejam ateus
Ao teu amor que me seduz

Meu Senhor Jesus
Filho bendito de Deus
Que meus sonhos sejam os seus
A tua vontade que me conduz

Meu Senhor Jesus
Que por mim morreu lá na cruz
Filho unigênito de Deus

Meu espírito já disse adeus
Ao mundo que tanto se perdeu...
Pois teu amor é a minha luz!

Victor Hugo

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Prisão Perpétua






Prisão Perpétua

Ando nessa casa de um lado pro outro,
Tentando me encontrar em alguém.
Mas é só o vazio de um vulto de um louco
Varrido, que sozinho, já não é mais ninguém.

Fora a solidão que vaga em constante
Movimento de alucinação diuturna,
E a cada dia, a vida vai ficando distante,
O tempo passando, escasso, me desfigura.

Não sei mais aonde ir ou onde ficar,
Não sei mais onde me esconder de mim,
Ou onde, de uma vez por todas, cair morto.

Eu que ando nessa casa de um lado pra outro,
É coisa sem cura, é coisa que não vai ter fim...
Maldito foi o dia em que eu soube me amar!

Victor Hugo Neves de Carvalho

Vaidade e ilusão





Vaidade e ilusão

Viver é uma vaidade
Nesse mundo de ilusão
Não existe felicidade
Mas eu conheço a solidão

E se ninguém é perfeito
Nunca ouvi falar de perfeição
A gente só nasce, no certeiro
golpe que afeta na da ereção.

Tolice acreditar na vida
Todo esse mundo é vaidade
Todo esse mundo é ilusão

E não fale de amor, dá confusão
Generalizada, que nem rima.
Ser feliz ou triste, tem validade.

Victor Hugo Neves de Carvalho


sábado, 20 de junho de 2015

Enquanto você dormia...





Enquanto você dormia...

Enquanto você dormia
Os seus desejos mais profundos
Eu aqui, acordado, tecia
Os mesmos desejos em segundos.

Enquanto você dormia
As suas vontades mais eloqüentes
Eu aqui, acordado, fervia
As mesmas vontades convenientes

Enquanto você dormia
Nos braços da noite escura
Em seu quarto iluminado pela lua

Eu aqui, acordado, no meio da rua
Te procurava a cada esquina tua...
Enquanto aqui dentro de mim chovia!

Victor Hugo Neves de Carvalho




sexta-feira, 19 de junho de 2015

Nosso Lar (A vida continua)




Nosso Lar (A vida continua)

Viver nesse mundo é uma labuta
Como é triste o meu penar
Mas estou firme nessa busca
Pode o peso que eu carregar

E mesmo de tantas agruras
Apesar do meu pesar
Ninguém pode com minha astúcia
Minha vitória vai chegar

E com Deus na frente a pelejar
A minha vida assim continua
Sem cara carrancuda...

Porque sei, depois da labuta
O tempo nos perpetua
E voltamos vitoriosos para o nosso lar!

Victor Hugo

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Um estudo da solidão humana e sua explicação nas ciências psíquicas e na teologia (Um estudo comparativo)





Um estudo da solidão humana e sua explicação nas ciências psíquicas e na teologia (Um estudo comparativo)

Resumo

O Projeto Genoma nos deu a certeza que o homem é primariamente afligido por dois sentimentos, o amor e o medo, sabemos através desta pesquisa que todos os outros sentimentos provêm destes. Um dos maiores medos do homem é a solidão, pois essa condição reflete um estado psíquico de sofrimento. Sabemos que o número de pessoas sozinhas tem aumentado muito em escala mundial, sabemos também que este estado trás consigo muitos males físicos e psíquicos. Este artigo trata da solidão na luz de várias ciências, seu significado, seu estado e suas conseqüências, também é objetivo deste texto apresentar uma série de comportamentos que uma pessoa deve adotar uma vez nesse estado.

Introdução

A solidão é uma implacável experiência que não mede suas vitimas, ela atinge pessoas de todas as idades, raças, níveis sociais, religiões e tem se tornado uma verdadeira pandemia nesta virada de século, trata-se de uma terrível experiência que se encontra presente na vida de muitas pessoas hoje em dia.

A solidão não é problema somente de dentro de casa, às vezes, trabalhando em escritórios lotados ou vivendo em megalópoles super populosas ainda assim o individuo
pode se sentir absolutamente só. Não existe exagero nenhum em afirmar que estamos
vivendo em sociedades compostas por homens e mulheres absolutamente solitárias.

De acordo com pesquisas do IBGE, 9% dos lares são formados por pessoas que moram sozinhas, de fato um número assustador, pois trata-se de aproximadamente vinte milhões de pessoas. Não obstante, encontramos índices mais preocupantes em países de
primeiro mundo, na Suécia 40% das pessoas moram sozinhas, na Dinamarca 36%, na Inglaterra 35%, na Alemanha 30%, na França também 30% e nos Estados Unidos da América do Norte o índice é de 26%, todos esses índices nos remetem uma contra-indicação de uma sociedade individualista. Estatísticas revelam que a maior causa de suicídios é a solidão, então devemos nos preocupar bastante com esses números.

Referencial Teórico

O dicionário Aurélio define a solidão como sendo o estado do que se encontra ou vive só; na Wikipédia define a solidão como o estado de quem se acha ou se sente desacompanhado ou só; a filosofia conceitua a solidão em termos filogenéticos, incorporada a existência humana, e como subproduto desta. Para esta ciência o grande
desafio é transformar a solidão em aliada de nossa realização pessoal, de acordo com ela o ser humano nasce só, sua dor e prazer ele tem no interior do seu ser, e finalmente morre só.

Na Sociologia a solidão é resultado da produção social do individuo ego centrado e
individualista, que ao firmar sua individualidade, firma também a fragmentação do universo social e o isolamento. Na psicanálise a solidão é considerada um mecanismo de defesa e se encontra intimamente ligado as doenças mentais, ou seja, aos sintomas
neuróticos e psicóticos, sua explicação para esse assunto desconhece a espiritualidade
reduzindo os comportamentos humanos baseados no impulso sexual. Para a psicologia
social a solidão é uma reação emocional de insatisfação decorrente de falta ou deficiência de relacionamentos significativos a qual são incluídos algum tipo de isolamento.

Na teologia bíblica notamos que as explicações da filosofia, sociologia, psicanálise
psicologia social são insuficientes para explicar este fenômeno, pois na teologia bíblica a solidão é um estado psicológico com uma grande implicação espiritual.

Antes do primeiro pecado o homem vivia em completa comunhão com Deus, com a
natureza, com ele mesmo e com o seu semelhante (sua mulher), deduzimos então que
humanamente o homem desconhecia o fenômeno da solidão. O pecado, além de produzir a morte espiritual do homem, também modificou o modo de ser e se comportar do homem, influenciando sua consciência em relação a Deus, a si mesmo, aos outros e a natureza. A principal conseqüência do pecado foi a morte espiritual, mas além disso promoveu sentimentos de vergonha e medo, e também abalou a inteligência emocional do homem prejudicando o desenvolvimento de relações intrapessoais e interpessoais, e por ultimo esse ato prejudicou as habilidades para desenvolver uma relação de intimidade e de comunhão espiritual com seu Criador.

Existe uma correlação entre a solidão e o isolamento social. A solidão é um fenômeno psicológico com implicações profundas de ordem espiritual, pode vir acompanhado de inquietação, desânimo, ansiedade, sensação de isolamento e desejo de ser útil a alguém, ela agrega sentimento de perda e a vida passa a ser despropositada, nesta situação, pode ou não existir isolamento social.

O isolamento social refere-se a aspectos físicos e geográficos que envolvem a separação, seu significado é a completa privação de contatos sociais, este estado pode ser imposto ou voluntário. A solidão é de ordem psicológica e espiritual enquanto o isolamento social pode ser de ordem física. Isolamento social é estar só, a solidão é sentir-se só.

A solidão provém de uma sensação de baixa auto-estima, também por alguns eventos corriqueiros de nossas vidas como o esquecimento, uma traição, um abandono, uma rejeição, quando o individuo se sente excluído, indesejável ou incapaz de ser aceito
por membros da sociedade, família, isso faz com que o individuo entre em uma crise de
solidão. Existe uma tendência para o recolhimento e fuga quando somos atacados,
ameaçados, intimados, ridicularizados ou criticados.

A solidão é um estado de vazio interior, insatisfação e tédio, a presença de pessoas ao nosso lado não são suficientes para que este problema seja resolvido. A solidão é um
quadro triste que fragiliza e desumaniza o homem e produz amargura e tristeza, pois, pouco a pouco faz com que a pessoa chegue à conclusão que não pode alcançar seus objetivos, vendo com seus olhos a morte de concretização de seus projetos e ideais.

Outro fator interessante é o sentimento de medo que acompanha este estado, pois o mesmo gera insegurança e angustia, e é justamente nesse medo que existe a atuação dos
espíritos malignos, porém, o sentimento de medo não é dado ao homem por Deus, no lugar deste existe os sentimentos de poder, amor e moderação.

Existe uma desestabilização psicológica e emocional que deixa a pessoa com a auto-estima abalada e com a tendência de perder o controle da situação em que se encontra, pois a solidão abate o espírito do homem, isso aconteceu com o profeta Elias que buscou refugio no deserto com o intento de esperar a morte dormindo. I Reis 19:4-5

Considerações Finais

Ao estudarmos a solidão, deduzimos que a presença de companhia é fundamental na vida do individuo. Porém, a simples presença de outros não necessariamente faz com que o individuo se sinta acompanhado, o problema é bem mais complexo do que se imagina.

Freqüentemente, os mais fortes sentimentos de solidão ocorrem quando o individuo
está acompanhado. Também podemos deduzir que a solidão e o isolamento social não são o mesmo fenômeno, pois o isolamento social pode dependem de aspectos físicos e geográficos da separação. No caso da solidão o sentimento é mais intenso, pois pressupõe isolamento psicológico. Observamos também que o isolamento social pode se converter em solidão.

Por outro lado, a solidão pode ocorrer sem o isolamento. Deduzimos portanto que o
isolamento social é estar só, enquanto a solidão é sentir-se só. Até o presente momento, a definição de solidão na sociologia, na filosofia, na psicanálise e na psicologia social são inconclusivos. Pois são considerados vias para o individuo chegar a este estado de sofrimento.

Na interação social, este estudo se torna uma via de acesso para esta dolorosa experiência humana, pois na perspectiva da interação social e também da solidão o
companheiro continua presente e a partir daí a solidão neurótica começa a ter sentido para o individuo, esta se instala na consciência alterada do doente psicótico.

Esta abordagem múltipla da solidão em um estudo comparativo amplia a compreensão deste fenômeno, pois o sentido de separação natural e a necessidade de afirmar sua individualidade aliado a um complexo mecanismo de defesa juntamente com a
experiência primitiva da separação prejudica esta mensagem, porém, se for comparada com a perspectiva da bíblia e seus ensinamentos.

Estas abordagens das ciências humanas são de certa forma inconclusivas até certo
ponto, pois costumam estudar os aspectos dos problemas humanos, desconsiderando,
portanto o contato do homem com os fatores que transcendem a parte física e acabam por não abordar os problemas espirituais. Esses modos de avaliação têm uma compreensão são reduzidos e limitados, pois comparam o homem com uma maquina que possui autonomia que traz em suas programação as virtudes para sua sorte e os males para sua destruição A teologia bíblica costuma inserir o ser humano e Deus no mesmo contexto, isso amplia o espectro da compreensão deste fenômeno juntamente com os problemas humanos agindo favoravelmente para a solução deste estado

Referências

BÍBLIA. Português. Bíblia de Jerusalém. (com aprovação eclesiástica, CNBB SG – nº
0051/03). São Paulo (SP): Editora Paulus, 2004.
FEITOSA, João da Cruz Gomes. Estudo Sobre a Solidão. Artigo
DANTAS, Marília Antunes. Isolamento Social Voluntário e Processos criativos.
Universidade Gama Filho. Rio de Janeiro. 1993 (dissertação de mestrado)
ELLISON. C. W. Solidão, uma Doença Psicológica. Rio de Janeiro. Record. 1980.
FROMM, Erich. A Arte de Amar. Belo Horizonte. Itatiaia. 1976
GOFFMAN, Erving. A Representação do Eu na Vida Cotidiana. Petrópolis. Vozes.
1985.

Renato Nogueira Perez Ávila
Graduado em Tecnologia em Processamento de Dados, Graduado em Licenciatura Plena em Informática, Especialista em Ciência da Computação e Mestre em Telecomunicações, docente de vários cursos de Graduação da INESUL.


Porque solidão pode ser fatal










Porque solidão pode ser fatal

A falta de companhia humana pode fazer mal a uma pessoa, e isso vai além de um simples problema psicológico: pesquisadores da Universidade de Chicago (EUA) afirmam que existe uma relação direta e biológica entre a solidão e a queda da qualidade nos indicadores de saúde.

A lista de problemas que a solidão pode ocasionar, conforme explicam os cientistas americanos, é extensa, incluindo endurecimento das artérias (o que leva à pressão alta), inflamações pelo corpo e até problemas cognitivos, de memória e aprendizagem.
O estudo, feito em parceria com cientistas da UCLA (Universidade da Califórnia em Los Angeles), mostrou que até o sistema imunológico muda com o tempo em pessoas que passam por grandes períodos de solidão.

Alguns genes entram em super atividade em pessoas socialmente isoladas, e a maioria deles está ligada a respostas antivirais e à produção de anticorpos. Isso leva a uma disfunção destas tarefas do organismo, e o corpo perde boa parte de suas defesas naturais.

Isso acontece, segundo os cientistas, porque o corpo humano tem uma capacidade imunológica limitada: ele precisa escolher entre lutar contra ameaças virais ou proteger o corpo contra a invasão de bactérias. Como o solitário tende a ver o mundo como um lugar ameaçador, o corpo foca as atenções contra as invasões externas de bactérias, abrindo caminho para ação dos vírus.

Nesse momento, o problema fica ainda mais intenso. O organismo desprotegido aumenta o risco de desenvolver tumores cancerígenos, infecções e doenças no coração. Em um estágio ainda mais elevado, os hormônios são afetados, e nasce o risco de complicações como um ataque cardíaco fulminante ou um derrame. A solidão joga um papel em todas essas ameaças.

O agravante, no caso da solidão, é um problema cíclico. Quanto maior a solidão de uma pessoa, mais cresce sua tendência a ter uma saúde ruim, e os efeitos dessa saúde tornam o paciente ainda mais isolado.

O motivo deste ciclo é uma conseqüência natural: a solidão não apenas faz o solitário infeliz, mas também mais inseguro, e o corpo sabe interpretar estes sinais.

Sonhei com você









Sonhei com você

Um dia eu sonhei com você.
E vi que o sonho era bom.
Esperei esse sonho crescer,
E o tempo desse seu belo tom.

A vida foi me levando, passando,
E o sonho como companhia.
Mas o tempo foi se esgotando,
Ficando mais curto a cada dia.

E um dia, desse sonho, contigo,
Apenas a solidão veio e ficou.
Com o tempo nunca me acostumei,
Dessa falta que você me faz!

Teria sido em vão? O que restou?
Ai, meu filho, de tanto que sonhei,
Hoje vivo sozinho e sem paz...
Sem os seus brinquedos de menino.

Victor Hugo Neves de Carvalho

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Girassol









Girassol

Por um pouco eu tinha esquecido
Que meninos também crescem.
Crescem fortes, felizes e sadios.
Como os girassóis também não esquecem,

O dia em que eu era um menino
Que cresceu como tantos que se prezem.
Crescer como homens viris e vadios,
Mas sem perder os sonhos que apetecem.

O gosto sentido da infância, já perdida.
Dando lugar a um adulto cheio de crises
E de neuras existenciais e complicadas.

Menos o menino, que esbanja alegria!
E tão pouco os girassóis, mesmo sem asas,
Crescem nos sonhos que em mim ainda existe.

© Victor Hugo Neves de Carvalho