quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Chororó


Chororó

Eu choro de cá,
Você chora de lá.
Já que o amor se foi,
O que resta pra nós dois?

Não sei quem chora mais,
E esse choro é demais...
Já se ouvem o chororó:
- “Volte mô, volte mô!”

Não sei onde isso vai dar,
Só sei que eu choro muito.
E você chora, de tanto rir,
Da minha situação.

- Chora coração! Dói sentir
O impulso dessa vibração.
Mas eu choro por amor e amar,

Quem rir de mim, só por intuito! 

© Victor H.

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Pra ser feliz?


Pra ser feliz?

Eu não deveria ter existido
Porque minha mãe não me abortou?
Porque Deus, de mim, teria desistido,
Já que tudo o diabo me surrupiou?

Quem dera, não houvesse nascido
Evitaria tanto sofrimento desnecessário
Porque cortaram o cordão do umbigo?
Se assim viveria tão solitário...

Eu sou uma fraude, uma mentira
Uma incontigente aberração, disforme
Em mim não há verdadeira vida
Estou morto, faz tempo, desse sonho enorme.

Nem Zé ninguém eu sou! Sem identidade.
Sou um pobre e tolo ser infeliz...
Não sou humano, nem animal, sou mais um verme
Que rasteja ladeira abaixo da escuridão...

Por que, oh vida, assim me concebe?
Se conheço tão perfeitamente a minha solidão
Não existe essa tal felicidade!
Mas reconheço: Viver pra não ser feliz!


© Victor H.